A SOCIABILIDADE DOS CÃES

Cão

O cão é um animal social que desfruta das relações. Os seus antepassados, os lobos, são animais que caçam presas grandes em grupo e que geralmente vivem em grupos mais ou menos estáveis. Por isso, são animais que podem colaborar entre si e, para isso, observam-se e sincronizam as suas ações.

Partindo de esta base e depois de uma história de convivência mais ou menos próxima com os humanos, ambos se adaptaram a cooperar juntos, a entenderse e a desfrutar na relação mútua. Sem este instinto a convivência teria sido muito diferente.

Para ilustrar a importância da associação natural entre grupos de animais sociais, nos remetemos ao estudo que, nos anos 50 do século passado, realizou o geneticista russo Dmitry Belyaev. Dito estudo pôs de manifesto que os lobos não foram manipulados pelo homem no processo de domesticação, mas sim que foi um processo de auto-seleção no qual os exemplares mais dóceis e curiosos se aproximaram por vontade própria a outra espécie, neste caso, a humana, da mesma forma que provavelmente os humanos reproduziram esses animais mais dóceis, perpetuando desta forma esta característica.

Belyaev fez a sua investigação com raposas prateadas, escolhendo as mais dóceis e sociais em cada ninhada. Assim conseguiram raposas cada vez mais sociáveis e, surpreendentemente, com rasgos mais feminizados e juvenis, tal como ocorre com o aspeto do cão em relação ao do lobo.

Desfrutando da companhia.

Atualmente o cão, com esta evolução tão social, precisa de estar em companhia, e principalmente depois deste processo de domesticação, prefere a companhia humana. Existem uns cães que são mais sociais com outros cães, mas “isto com a idade desaparece”, assinala Victoria Coll, diplomada em etologia pelas “ Ecoles Veterinaires Françaises”. Esta especialista confirma que não é o mesmo um cachorro que quer brincar com outros cães, que um animal adulto que “não tem uma necessidade imperiosa de criar novos vínculos com eles”. De facto, comenta: “um dos maiores problemas que temos os etólogos atualmente é a má socialização (ou a sua falta) entre indivíduos da mesma espécie”. Por isso, hoje em dia, falar do instinto gregário do cão não supõe tanto a socialização com os da sua espécie, mas muito mais a sua relação com os humanos. 

É muito simples. O que quer um cão é estar consigo. Viver consigo e fazer coisas juntos. Assim é feliz. Você e a sua família são agora a sua manada.

Para o seu interesse

OS CÃES COMPREENDEM-NOS?

Não é de estranhar que comuniquemos com o nosso cão como se fosse uma pessoa. É o nosso companheiro, a sua simples presença é reconfortante e parece que nos entende. Mas compreende-nos realmente ou somos nós que queremos acreditar que sim?

O SEU CÃO, UM GRANDE EXPLORADOR

A domesticação do cão teve lugar há milhares de anos e não é claro porquê e como se domesticou, mas parece evidente que era utilizado como animal de trabalho, para a caça e vigilância.